Arquivos do Autor

Clube Farroupilha

Os vilões da inflação

Recentemente li/ouvi alguns artigos e programas nos quais se afirmava que o vilão da inflação de 2016 é o feijão. Me lembrei do ano de 2015, quando os grandes culpados foram a gasolina, a energia, etc., e do ano de 2012, quando o tomate foi vilão tão imbatível ao ponto de ser capa das revistas Istoé, Época, etc. O preocupante ao se apontarem estes vilões é que os reais responsáveis pelas crises inflacionárias que mancham tão drasticamente a história do Brasil ficam impunes.

Anúncios

Ayn Rand e Aristóteles

Smith examina algumas das afirmações de Ayn Rand acerca da influência benéfica das ideias de Aristóteles na civilização Ocidental. De acordo com Aristóteles, “há algumas pessoas que são livres e outras que são escravos por natureza, e é ao mesmo tempo uma vantagem e justo para eles, serem escravos.” David Brion Davis, um dos principais historiadores acerca da escravidão, conhecido pela Inhuman Bondage: The Rise and fall os Slavery in the New World (Oxford, 2006, p. 54), onde concluí que Aristóteles teria “uma imensurável influencia na cultura Ocidental”. Mesmo “nos anos 1200s, quando a escravidão estava desaparecendo desde o noroeste da Europa, teólogos Cristãos reviveram e fizeram extenso uso de diversas proposições de Aristóteles.

Por que o Feminismo Individualista é o mais igualitário?

O Feminismo Radical, que está em alta nos dias de hoje, é o movimento de luta feminina que segue a teoria da desconstrução sob a perspectiva de Foucalt. Suas ativistas alegam que as diferenças sexuais no que diz respeito ao comportamento são fruto unicamente de construções sociais, e não raro pregam a segregação entre mulheres e homens, sendo estes últimos culpados por todos os males da sociedade. O Feminismo Radical prega que a “igualdade” entre gêneros só pode ser alcançada a partir de leis específicas que garantam às mulheres proteção e privilégios, para compensá-las pelas injustiças que sofreram e ainda sofrem devido ao seu gênero.
Alguns exemplos de feministas radicais são a advogada Catherine MacKinnon, a filósofa Mary Daly e a escritora Andrea Dworkin.