Felipe Rosa

O que os jornais não disseram sobre o rebaixamento da nota pela Standard & Poor’s e por que isso afeta a sua vida?

Na semana passada os jornais e programas de televisão foram invadidos pela notícia de que o Brasil tinha perdido o grau de investimento da agência de avaliação de risco Standard & Poor’s. O grau de investimento é como um selo e ajuda a classificar o quão confiável são os títulos de determinado país ou determinada empresa.

Até a semana passada os títulos públicos emitidos pelo Brasil estavam sendo classificados como minimamente confiáveis. O rebaixamento, portanto, significa que para a Standard & Poor’s desde o dia 10 isso não é mais verdade.

O rebaixamento da nota do Brasil é justo mas chega com atraso. Na verdade, os títulos brasileiros já vinham encontrando resistência dos investidores que estavam cobrando cada vez mais caro para rolá-los ao invés de resgatá-los.

As trapalhadas do governo no ajuste fiscal e o histórico nada confiável na contabilidade pública com as chamadas “pedaladas fiscais” já vinham deteriorando a confiança dos investidores nos títulos do governo brasileiro.

O que a Standard & Poor’s fez foi apenas ratificar o que todos nós sabíamos: esse governo definitivamente não é confiável, logo, seus títulos também não são.

Segundo a agência a cereja do bolo para o rebaixamento foi o envio do orçamento deficitário para 2016 (algo inédito até então).

No entanto, você pode estar se perguntando: como isso afeta a minha vida? O rebaixamento como já dito afeta a demanda pelos títulos públicos. Como o efeito é em cadeia, a agência também rebaixou a nota de diversas empresas (incluindo a Petrobrás). Na prática essas empresas e o governo devem perder investidores e assim perder capacidade de investimento e endividamento, respectivamente.

Se as empresas não conseguem captar maiores investidores (num cenário de baixo investimento) o volume de produção e abertura de vagas de emprego tende a cair. Num cenário de aumento no desemprego a abertura de vagas é importantíssima para compensar o fechamento de outras vagas e isso acaba sendo comprometido.

Quanto ao governo, a perda da capacidade de se endividar com a emissão de novos títulos pressiona ainda mais o Tesouro Nacional para rolar a dívida, obrigando-o a pagar parte desta mesma dívida. Em um cenário de crise fiscal isso significa que uma parcela ainda maior do seu dinheiro vai para pagar o endividamento adquirido no passado e isso significa, provavelmente, que o governo terá que tributar ainda mais para compensar essa perda na capacidade de gerar “receita” via emissão de novos títulos da dívida pública.

Além disso, o pagamento de títulos públicos gera aumento na quantidade de moeda rodando na economia. Em um momento de aumento dos juros isso obriga o Banco Central a recolher esse excesso de moeda para manter a taxa Selic no atual patamar em que está. O mecanismo utilizado pelo Banco Central é a emissão de operações compromissadas (lastreadas nos títulos da dívida pública) de curto prazo, que pagam taxas maiores em prazos menores.

Ou seja, o governo tem que pagar a sua dívida por um lado e ter que emitir títulos por outro para enxugar o excesso de moeda e manter a Selic no patamar em que está.

O governo de Dilma Roussef conseguiu a façanha de criar um modelo em que ao pagar a dívida o Estado se endivida ainda mais. Logicamente esse cenário é altamente inflacionário ali na frente e isso é extremamente perigoso. Estamos plantando a semente da destruição do Real e a volta da indexação dos anos 80.

Em uma economia que já apresenta a inflação de preços acima da meta, queda nos investimentos, na geração de emprego, na captação de poupança e na acumulação de capital (que afeta diretamente a produtividade e, portanto, os salários), o rebaixamento da nota do Brasil – diferentemente do que disse o ex-presidente Lula – é sim, trágico.

E mais trágico ainda é a solução apontada pelo Ministro da Fazenda Joaquim Levy – aumento de impostos.

Nesse instante, jogar a conta para a população além de mais recessivo não aumentará a confiança nos nossos títulos. Ou seja, continuaremos com dificuldade de rola a nossa dívida pública (o que como explicado aumentará o endividamento) e corremos o risco de chegarmos no ponto máximo da Curva da Laffer, ou seja, naquele momento em que o aumento de impostos não consegue gerar maios capacidade de aumento nas receitas do governo.

O caminho é único Sr. Levy. Um amplo e inequívoco corte de gastos do governo federal. Ninguém mais confia em ajuste pelo lado da receita. A população quer ajuste pelo lado do gasto. Pelo custeio da máquina pública, pela diminuição do populismo e do “gasto social”.

Há muito tempo isso já está claro. A Standar and Poor’s apenas foi mais uma que percebeu isso. Antes tarde do que nunca…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s