Romário Becker Alcântara

Cegueira institucionalizada

Por Romário Becker Alcântara

chinese-censorship-is-spreading-all-over-the-world

“O pior cego é aquele que não quer ver!”, dizem os antigos, sabiamente. Pouca gente conhece a origem deste provérbio. Conta-se que no século XVII, na França,um aldeão chamadoArgel foi a primeira pessoa a receber um transplante de córnea, fato este que resultou em extraordinário sucesso da medicina à época. Ao enxergar, ele se tomou de um estado de horror com o mundo que passou a conhecer, bem diferente do que imaginava quando vivia na escuridão da cegueira. Então, solicitou ao cirurgião que o operou a extrair-lhe os olhos, pois preferia voltar a ser cego. “Não quero mais ver os horrores que permeiam este mundo!”, supostamente disse. Com a recusa do médico, apelou peranteos tribunais de Paris e do Vaticano, e obteve ganho de causa. Passou então a ser conhecido como “o cego que não quis ver”.

Partindo dessa história, pode-se afirmar, primeiramente, que Argel, há algum tempo (e sem sombra de dúvidas!), é a representação fidedignado BrasilianischeVolkgeist. Parafraseando o alemão Savigny (Escola Histórica Alemã de Direito, manja?), eu quis dizer “o espírito nacional brasileiro”. A cegueira que toma o povo brasileiro, em geral, é iluminada nesta escuridão mental pelos poucos que ainda querem ver – e relatar – os horrores das políticas governamentais ditas públicas e sociais, o descalabro das contas públicas, et caterva. Antes fosse de parcela da população, contuda ela atinge praticamente todos os segmentos sociais!… De toda forma, cá estou não a falar em “bolsas” dos mais variados gêneros, muito menos dos mandos e desmandos provindos de Brasília – e suas respectivas consequências. O foco aqui é a iminente crise econômica que está por vir – e que, mesmo assim, poucos querem acreditar.

Lembram-se da “marolinha” que o crustáceo petista pronunciou em 2008? Pois bem: virou tsunami. E irá nos engolir. Talvez dê pra nadar nesse caos todo e salvar alguma coisa – a começar, pela própria pele. Não adianta acender velas, já digo. Um dos mais antigos “axiomas de Zurique” é: “quando o barco estiver afundando, não reze, abandone-o!”. E é exatamente o que os investidores estrangeiros, e outros agentes brasileiros especializados no mercado financeiro estão fazendo: dando o fora enquanto é tempo!

“Ah, mas a Bolsa até que tá subindo!”, claro, mas só quando a ‘presidente’presidentaDilma cai nas pesquisas eleitorais. “Ah, mas o IPCA nem passou dos 7%!”, espere só então quando os preços de produtos controlados pelo governo mediante estatais tiverem que ser reajustados, isto é, quando eles ‘descongelarem os preços’ (saudades, Plano Bresser!). “Ao menos a Taxa SELIC está sob controle!”, nem preciso dizer que vão aumenta-la quando as taxas dos títulos norte-americanos começarem a subir, e assim, havendo enxugamento de dólares no mercado, isso tudo nos levará até uma situação onde o dólar paira, no mínimo, a R$2,50.

Estamos no fundo do poço? Não. Tem um porãozinho aqui, sabe… E ele é mais úmido do que parece. Bom se a crise fosse apenas ao que tange os aspectos financeiros, ou ainda, que fosse apenas “uma ressaca que foi continuada por um ‘alemão teimoso’ (pleonasmo)”. Digo isso porque, de fato, a crise é institucionalizada. Vamos aos fatos!

Recentemente, a Empiricus Research, consultoria altamente especializada em finanças, mercado de capitais, gerenciamento de recursos, etc, foi “obrigada” (para não dizer “imposta”) pelo Tribunal Superior Eleitoral a ter que remover sua publicidade sobre “O Fim do Brasil”. O que seria um eco de alerta em meio ao marasmo de informações concretas que nos toma neste “deserto amazônico”, tornou-se abafado tão logo quanto se pode. Os fatos não param por aqui!…

Por outra banda, o Banco Santander, que fez pesquisa de mercado parecida com esta, e que enviou um emergencial e-mail para irrisórios 0,18% de seus clientes avisando sobre o futuro das finanças brasileiras, foi também “obrigado” (leia-se: calado)  a se retratar perante a corja neocomunista tupiniquim que assola o Planalto Central, e ainda, de quebra, anunciou “cortes” na equipe que premedita acerca dos avisos. Funcionários que deveriam receber um merecido aumento pela proatividade de serviço, e pela solidariedade aos bolsos alheios, foram demitidos “por justa causa”. Santa Madre!

Eu poderia ficar horas a falar de cada uma das notícias que chegou a público – fora as que não chegaram, é claro –, porém, isso tornaria cansativa demais esta “anedota de galpão”. Mais cansativa, até, que a vida de um típico cidadão brasileiro, que sua a semana inteira no serviço – e alguns até conseguem a façanha de estudarem no turno inverso – e vê sua poupança dizimada com a inflação (não) oficial medida pelo IGPM.

Enfim, fica o recado, meus caros leitores, de continuaram todos nós, sejam liberais ou libertários das mais diversas causas, a combater o “inimigo comum” que há entre nós: o “dragão” da inflação foi novamente invocado, os militontos militantes pró-governo estão comandando esta “armada”, e isso tudo fortemente nos ameaça, caso queiramos ter um futuro digno, tanto para nós quanto para nossos filhos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s