Destaque

O que Piketty simplesmente ignorou.

Pouco menos de um mês atrás um livro – pasmem – de economia (O Capital no Século XXI) do francês Thomas Pikkety atingiu a lista dos mais vendidos no site da empresa de varejo digital Amazon. Não demorou muito para o mesmo ser aclamado academicamente nos EUA por Paul Krugman e seus seguidores. A despeito do seu sucesso literário a questão maior e mais intrigante (ao menos em um primeiro momento) é entender o que fez tanta gente se interessar pelo fantasioso mundo da Ciência Econômica?

É simples, basta que entendamos o que a obra de Piketty propõe! Segundo o francês (e claro, Paul Krugman) o livro consegue comprovar – teoricamente e empiricamente – que a prosperidade do capitalismo tende a elevar a concentração da renda e o aumento da desigualdade entre ricos e pobres. Isso se desenrolaria empiricamente pelo fato de que, segundo Piketty, toda vez que a remuneração do capital se torna maior do que o crescimento econômico os ricos ficam mais ricos e os pobres mais pobres. E mais, segundo Piketty, as evidências históricas nos mostram que isso é praxe no capitalismo! Ou seja, estaríamos em meio a um sistema de produção econômico em que a desigualdade aumenta inexoravelmente à medida que este se desenvolve no tempo. Isso, para o francês, enseja que o capitalismo necessita urgentemente de reformas para que tais desigualdades sejam atenuadas e a proposição (nada surpreende, diga-se de passagem) é que taxemos a riqueza global em 2% e os ricos em, progressivamente, 80%!

Evidentemente, que tal proposição por si só, ou seja, independente de comprovação empírica, já conquistaria adeptos das teorias em que a riqueza é um jogo de soma zero. Se alguém está rico é porque outro alguém ficou pobre. Alguém tem que perder e assim é o capitalismo – dizem eles. Mas o que mais fez o livro de Piketty se tornar um best seller está no fato da sua (suposta) irrefutabilidade empírica alicerçada em uma (suposta) base fantástica de dados.

Mesmo sem ler o livro de Piketty (algo que eu confesso não ter feito), aprioristicamente, já se pode alertar para algumas conclusões no mínimo falseáveis do livro. Em primeiro lugar, como já alertava-nos A. F. Chalmers e Ludwig von Mises nas Ciências Sociais e nos processos derivados destas a empiria não pode refutar uma boa teoria. Eis o primeiro pecado de Piketty, achar que de uma visão holista sobre dados históricos a sua teoria estaria verificada e as demais refutadas. Ledo engano!

Primeiro porque seus dados quando melhor examinados pouco dizem acerca do capitalismo e de sua inerente (e suposta) concentração de renda. Isso porque (segundo os dados de Piketty) no período de 1820 a 1950 a remuneração do capital simplesmente diminuiu e o crescimento econômico aumentou, portanto, a concentração de renda (seguindo a tese teórica de Piketty) nesse período se desconcentrou e não o contrário! Além disso, de 1913 a 1950 o crescimento econômico supera a remuneração do capital o que refuta ainda mais a tese central do francês. Tal efeito concentrador só passa a ser verificado por volta de 1980 e ainda assim em pequena escala (para ver os dados, clique aqui). Mas e quanto ao resto dos dados? E antes de 1820? Antes, o capitalismo sequer estava desenvolvido! O que Piketty no máximo consegue verificar empiricamente é que nos períodos pré-capitalistas (do séc. XI a 1820) as sociedades eram extremamente desiguais e concentradoras de renda e que isso diminui, drasticamente, após a prosperidade do capitalismo.

Existem outras refutações as conclusões empíricas de Piketty! De cara podemos dizer que segundo os dados contidos no livro durante 1910 a 1970 a concentração de renda dos 10% mais ricos cai vertiginosamente para níveis menores do que em 1810 tanto na Europa como nos Estados Unidos (regiões onde o capitalismo nesse período mais prosperou). Enfim, o que o economista francês conseguiu comprovar é aquilo que todos que leram Mises, Hayek e outros já sabem. Que o capitalismo é quem produziu e distribuiu riqueza como ninguém e que só não prosperou ainda mais porque sempre foi vilipendiado pelo intervencionismo ao qual sempre esteve exposto. Para que comprovemos isto basta que usemos, novamente, os dados de Piketty. No livro, os dois períodos de maior concentração de renda dentro do capitalismo estão associados às crises de 1929 e de 2008, ou seja, nos períodos precedentes as duas maiores crises do intervencionismo (se o leitor ainda acha que a crise de 1929 e a de 2008 são crises do capitalismo ler, respectivamente: aqui eaqui).

E é este o principal equívoco de Piketty! Esqueçamos a sua malfada teoria e vamos aos fatos. Toda a sua análise versa sobre dois períodos: um antes do advento do capitalismo como sistema de produção e o outro após o seu surgimento. No entanto, tecer inferências empíricas de 1820 pra cá (ou se preferirem da primeira Revolução Industrial para cá) é realizar análises acerca do intervencionismo! E esta ressalva o francês não faz. Seus dados versam sobre um período majestosamente dissecado teoricamente por Ludwig von Mises em Intervencionismo: Uma Análise Econômica e não sobre o capitalismo.

Ou seja, quisesse fazer uma análise honesta sobre o capitalismo Piketty teria que esquecer seus dados e voltar aos livros. Ler Menger, Böhm-Bawerk, Wieser, Lachman, Mises e Hayek. Após fazer isso (e somente após) ir para os dados. O francês concluiria que o capitalismo que agora o enriquecerá não é um jogo de soma zero. Que tirar 80% de Thomas Piketty e dar para o Felipe Rosa em nada adianta para diminuir a presente desigualdade no mundo. A desigualdade só será eficazmente combatida com aumentos da produtividade e da eficiência do livre mercado. É o capitalismo livre que torna economias paupérrimas em nações prósperas e desenvolvidas.

Logo, enquanto teorias como a de Piketty continuarem encontrando coro entre os economistas o intervencionismo seguirá impavidamente concentrando a renda que o livre mercado (através de todos nós) produz, apenas a espera de um próximo teórico que encontre no capitalismo toda a culpa para as mazelas do mundo. No século XIX foi Marx, depois Keynes e agora Piketty. Por que eles simplesmente não deixam nossas carteiras e o capitalismo em paz?

­­­­­­­­­­­­­­___________________

Felipe Rosa é mestrando do Programa de Pós-Graduação em Economia e Desenvolvimento (PPGE&D) da UFSM. Escreve as quintas para o site do Clube Farroupilha

As informações, alegações e opiniões emitidas no site do Clube Farroupilha vinculam-se tão somente a seus autores.

Anúncios

Categorias:Destaque, Felipe Rosa

3 respostas »

  1. Cara, 3 comentarios:

    1) Antes de criticar algo, se informe. Nem precisa ler o livro inteiro. Leia o 1o terco (da pra ler em 1 tarde) que e’ a parte mais interessante. Apesar da surpresa geral com o livro, as ideais do Piketty nao sao novas, ja vem sendo publicadas por ele e coautores a anos (Saez, Piketty, Atkinson, etc). Pelo menos, leia um artigo dele de 2003 que eh um “resumo” do livro chamado “evolution of inequality in the usa 1880-1998” ou algo do genero.

    2) Pouco importa o que o Mises acha de tributacao. Se vc tem a intuicao que 80% de tributacao e’ muito, procure pessoas que saibam do que estao falando quando o assunto e’ tributacao. Pesquisadores que discordam (fortemente) dos resultados de Piketty: Prescott, Werning, Golosov, McGrattan, Fahri, etc. Procure alguns artigos desses caras, tem varios e veja o que voce acha deles. As diferencas entre vc achar uma taxa de 60% e de 30% na tributacao dos 1% mais ricos e’ menor que vc imagina.

    3) Ler Menger, Böhm-Bawerk, Wieser, Lachman, Mises e Hayek nao melhora o entendimento de ninguem em macro/public finance moderna. E’ o mesmo de vc mandar o cara ler Euclides pra aprender matematica. Esse tipo de comentario faz voces parecerem um blog marxista de direita. Mesmo que vcs sejam influenciados pela escola austriaca, nao usem argumentos de autoridade desses caras que ja’ morreram a 50 anos, como se fosse uma especie de biblia. A ciencia evolui. Quer argumentos a favor de free banking? Veja a literatura de inside money (Wright, Lagos, Trejos). Argumentos contra regulacao demais? Veja a literatura de rent-seeking (Krueger, Shleifer, Murphy).

    De vez em quando eu leio vcs, nunca concordo com tudo, mas esse post foi muito ruim. De qualquer forma, tentei fazer uma critica minimamente construtiva.

  2. E conseguiste fazer uma crítica construtiva, não tenha dúvidas Zé. Anotei as dicas de literatura e na medida do possível as lerei, muito obrigado.

    A minha confissão de não leitura da obra do francês, ao meu ver, não estraga a interpretação da tese geral do livro. Tampouco, incorre em erros nos dados apresentados. Me baseei nas resenhas do Krugman e do Solow (entre outras) sobre o livro e já adquiri a versão digital deste para conferir os dados utilizados na resenha, por exemplo, do Hunter Lewis. O que quero dizer com isso? Que bastava eu sonegar a minha não leitura e ninguém saberia do feito, afinal, o que é informado acerca do livro não está errado. Ainda assim, foi curiosamente interessante observar o comportamento raivoso de alguns (não seu, saliente-se isso) que também não leram o livro, mas aprioristicamente concordam com a tese do mesmo (incorrendo no mesmo erro a qual fui bastante, justamente diga-se passagem, condenado).

    No mais Zéh, acerca do que contesto teoricamente ninguém ainda conseguiu contra-argumentar, ou seja, de que os dados de Pikkety de 1820 para cá (portanto, desde o advento e desenvolvimento maciço do capitalismo como sistema de produção) comprovam uma diminuição da concentração de renda quando nos baseamos nos critérios teóricos utilizados pelo francês para constatar a concentração de renda (basicamente o r > g). E mais, ninguém ainda contra-argumentou a minha afirmação de que a análise de Piketty versa sobre o INTERVENCIONISMO e não o capitalismo (e isso como eu já afirmei faz toda a diferença). Logo, se a tese (contestável, deixemos claro) de que estamos concentrando renda e aumentando a desigualdade no mundo estivesse verificada nos dados (e aparentemente não está) seria preciso identificar que tal movimento econômico se deu em um sistema intervencionista e a partir daí verificar quais são os principais elementos para tal aumento na concentração da renda e da desigualdade.

    Por isso pedi que Piketty voltasse a leitura dos clássicos da EA. Eles tem muito a dizer no que tange a fundamental distinção sobre o que é intervencionismo e o que é capitalismo. Tal compreensão, ao meu ver, faz com que consigamos delegar mais acuradamente as culpas das mazelas do mundo (mais especificamente as culpas do mercado e as culpas do Estado no intervencionismo) possibilitando, assim, recomendar medidas mais efetivas para a prosperidade dos mais pobres. E nesse sentido, eu sinceramente não preciso ler as 700 e tantas páginas do Piketty para identificar que a proposição do francês em aumentar a taxação da riqueza apenas onera o fomento a poupança interna fazendo das políticas de soma zero da riqueza um convite ao atraso, ou seja, um equívoco teórico que advém desde Marx e que ainda (como vemos) prospera.

    Grande abraço Zeh e obrigado pelas recomendações literárias.

    Felipe Rosa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s