Mateus Maciel

O nazismo e a falsa recuperação econômica

A recuperação econômica na Alemanha, durante o governo de Hitler, é muitas vezes vista como um balanço positivo pela sociedade. De fato, após a Primeira Guerra Mundial esse país se encontrava em uma situação econômica bastante complicada, sendo que o Führer conseguiu virar o jogo, controlando a escalada dos preços e reduzindo o desemprego. A liberdade econômica, entretanto, foi sacrificada uma vez que, apesar da existência de um sistema capitalista na nação em questão, o mesmo era profundamente regulado. Portanto, o meu objetivo nessa texto é mostrar que, apesar da recuperação desse país no pós-guerra, a liberdade econômica foi profundamente comprometida, o que gerou inúmeras falhas que apenas o livre mercado poderia ter consertado.

Alemanha (1933-1945)

Quando o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães levou Adolf Hitler ao poder, em 1933, a Alemanha estava mergulhada em um grande caos econômico, político e social. No campo econômico, o marco sofria forte desvalorização frente a outras moedas, a hiperinflação corroía o poder de compra dos trabalhadores e o desemprego afetava um terço da população. No campo político, a disputa entre grupos de diferentes vertentes políticas fazia com que as tentativas de tomada de poder fossem constantes. No campo social, a população estava com o orgulho profundamente ferido, por conta da humilhação imposta pelo tratado de Versalhes. Com isso, Hitler priorizou dois problemas que deveriam ser solucionados rapidamente. O primeiro era a questão do desemprego e o segundo era o rearmamento da Alemanha.

Para solucionar o problema do desemprego, os nazistas, que eram bastante simpáticos as teorias de Keynes, iniciaram um crescente controle sobre a economia. O planejamento econômico foi então concebido em três frentes, visando acabar com o problema em questão: expansão de crédito, políticas fiscais e políticas específicas de investimento. Com a ajuda do crédito, a indústria de bens de consumo foi estimulada, assim como a expansão demográfica, uma vez que casais possuíam mais acesso ao crédito. Dessa forma, os recém-casados poderiam comprar imóveis, mobília e etc. Os impostos sobre veículos foram reduzidos, visando o estímulo a indústria automobilística (muito forte na Alemanha) e o investimento em obras públicas, como a construção de estradas e manutenção de edifícios também foi feito, uma vez que gerava mais empregos.

Os salários e os preços foram congelados, tendo o partido intervido fortemente nas relações trabalhistas, nos preços e na produção como um todo. A Frente de Trabalho Alemã passou a existir como uma espécie de sindicato geral, sendo obrigatória a filiação de qualquer trabalhador. O Grupo Industrial do Reich controlava todos os setores industriais, que eram obrigados a filiar-se ao órgão do governo, o que acabou por gerar grandes cartéis. Os demais setores da economia, como comércio, bancos, agricultura também tiveram que se filiar a outras agências reguladoras do estado.

Os preços passaram a ser controlados pelo Comissário Geral de Preços do Reich. Com isso, o governo não controlava apenas os preços, mas também todo o processo de produção, ditando o quanto e o que deveria ser produzido. A perda de autonomia do empresariado e dos trabalhadores, após essa forte regulação, se tornou evidente.

O balanço do plano econômico, do ponto de vista da geração de empregos, foi positivo. 6 milhões de trabalhadores foram contratados para trabalhar na construção civil ou em fábricas voltadas para a produção de bens de consumo. Apesar dos crescentes gastos do governo, a inflação caiu, uma vez que os salários e os preços eram fortemente controlados. Com um ambiente econômico favorável, Hitler nomeou Hermann Göring Ministro da Economia para que este preparasse a Alemanha para a guerra.

Göring aumentou ainda mais o controle sobre o sistema econômico, controlando ainda mais os salários e os preços, os investimentos, através de impostos, proibições e indicação de propriedade. Além disso, controlou o câmbio e passou a controlar a alocação da força de trabalho. Com relação à indústria, os setores petroquímico, óleo sintético, borracha, mineração e siderurgia passaram a receber grande atenção estatal. Todos esses setores possuíam ligação direta com a fabricação de armas que seriam utilizadas durante o conflito.

Com a política armamentista, o estado acabou por criar uma série de “campeões nacionais” que passaram a ter grande influência junto aos burocratas do Partido Nazista. Quando a produção era destinada ao estado, o lucro era certo, sem falar que esses empresários/”amigos do rei” passaram a desfrutar de uma certa autonomia que os pequenos industrias não possuíam. Grandes empresas como Siemens, Volkswagen, Krupp, Porsche e várias outras passaram a receber um tratamento especial dos nazistas, uma vez que a produção das mesmas era de suma importância para o rearmamento da Alemanha.

Quando conflito começou, em 1939, a Alemanha já estava bastante avançada na produção de armas. Ao longo da guerra, a produção desse tipo de produto foi ganhando cada vez mais importância na economia chegando a bater os setores de bens de consumo, construção civil e etc.

Conclusão

As políticas intervencionistas aplicadas pelos nazistas, muitas delas de caráter heterodoxo e keynesiano, conseguiram acabar com os três grandes problemas que a Alemanha vivia no período pós-guerra: aumento dos preços, desemprego e crescimento econômico.

A escalada dos preços foi controlada via controle de preços e salários. Dessa forma, os produtores não podiam aumentar o preço dos seus produtos, enquanto que o consumo era controlado através do congelamento dos salários. A inflação, se considerarmos que esta é causada pelo aumento da quantidade de dinheiro na economia, não foi controlada de fato uma vez que os nazistas seguiram emitindo moeda para custear os gastos públicos. O aumento geral dos preços, consequência do processo inflacionário, só não ocorreu devido às medidas de controle impostas pelo governo. Vale ressaltar que o sucesso de tal medida nesse período ainda é bastante duvidoso, uma vez que a mesma gera escassez.

O órgão responsável pela produção agrícola durante o governo nazista era o “The Reich Food Estate”. A demanda por alimentos era 30% maior que a oferta, fazendo com que muitos alemães voltassem para casa famintos. No setor de construção civil, a escassez de ferro fez com que muitas casas fossem construídas com encanamentos de madeira. A produção de ferro, que havia sido nacionalizada, não era capaz de produzir o suficiente nem mesmo para o exército. As roupas eram racionalizadas, assim como a gasolina e a borracha, reduzindo a demanda por carros. Além do mais, os nazistas escolhiam quais modelos e quantos carros seriam produzidos.

O controle de preços só não foi ainda mais ineficiente, pois o estado totalitário era capaz de ditar o quanto e o que seria produzido, de acordo com as análises dos burocratas que calculavam a demanda dos alemães. Caso o estado não fosse capaz de obrigar os industriais a produzir uma quantidade determinada, aconteceria o mesmo que ocorreu no Brasil na época do Plano Cruzado: escassez generaliza dos produtos.

A solução para o desemprego também é bastante controversa, pois a produção não era ditada pelo mercado, mas pelo governo. Dessa forma, a demanda real dos alemães era estimada por burocratas, fazendo com que esses alocassem a mão de obra de obra de acordo com o que eles acreditavam ser a real demanda nacional. Gerar empregos assim é muito fácil, uma vez que podemos “estimar” que a demanda nacional por biscoitos aumentou e com isso vamos contratar mais trabalhadores para o setor em questão. Apenas o mercado pode prever qual é a real demanda das pessoas, uma vez que elas mesmas mostram isso aos produtores, quando compram um determinado produto.

No final, todo o crescimento econômico não foi feito pelos indivíduos, mas por um grupo de burocratas que passou a controlar fortemente a economia. Sem falar que toda a “prosperidade” conquistada no período pré-guerra foi desenvolvida para levar a Alemanha ao um dos maiores conflitos da história e que simplesmente arruinou todos os “ganhos” econômicos anteriores.

Mateus Maciel é estudante da Faculdade de Ciências Econômicas da UERJ. É membro fundador do Grupo Frédéric Bastiat (EPL-UERJ), e escreve todos as segundas para o site do Clube Farroupilha.

As informações, alegações e opiniões emitidas no site do Clube Farroupilha vinculam-se tão somente a seus autores.

Anúncios

3 respostas »

  1. Epah a sério. E é isto que dizem falsa recuperação económica quando a mesma exige um controle da despesa alto, e uma logística empreendedora como a que se encontram a criticar?
    É uma demanda fácil fazer o que eles fizeram, dando o exemplo de biscoitos? No Brasil e em Portugal hoje ainda se passa fome, e muita. Então que o façam para ambos os países, passar fome por passar, é bem mais preferível dessa forma.
    Mas emitir moedas como eles emitiram, e criar uma guerra politica com os credores e financeiras não é para todos. Foi esse o grande problema para esse milagre. Graças a esse milagre, e para que muitos países não seguissem o mesmo caminho, e fugir aos bancos e aos juros altissimos… acabou no que hoje falamos, numa II guerra mundial.
    Parabéns pela lição de merda que postaram.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s