Mateus Maciel

Aceite a natureza humana

É muito interessante ver as pessoas pedindo por mais fiscalização e regulação. Elas creem que, através do crescimento do estado, todos os problemas serão resolvidos. É o Estatismo, uma das mais antigas crenças do mundo e que possui adeptos em vários países. O problema é que os seguidores dessa religião acreditam tanto em seus governantes e grupo de burocratas que se esquecem da própria natureza humana.

Thomas Hobbes (1588-1679), filósofo inglês, já afirmava que o homem é egoísta, vaidoso e inseguro. Tal afirmação refutava a ideia dos escolásticos que viam o homem como um ser cheio de virtudes. Outros filósofos também refutaram a visão de “como o homem deveria ser”, Samuel Pufendorf (1632-1694), jurista alemão, afirmava que o homem era benevolente por interesse.

Creio não seja necessário ler Hobbes e Pufendorf para saber que o ser humano possui inúmeros defeitos e que muitas vezes procura beneficiar a si próprio, mesmo tendo que passar por cima dos outros. Muitos podem dizer que no Japão, na Alemanha, no Canadá, as pessoas não agem dessa forma. Infelizmente, só posso dizer que no Brasil elas agem assim e elas não são apenas donas de bancos, ou empresas de ônibus. Elas estão no poder, nas agências reguladoras, nas inspetorias, pois lugares como esses são compostos por indivíduos.

Um exemplo interessante é o das agências reguladoras. Estas autarquias existem para garantir a qualidade dos serviços que antes eram fornecidos pelo estado. Entretanto, é comum ver diretores dessas agências envolvidos em escândalos de corrupção, pois quase sempre são comprados por empresas que deveriam estar sendo fiscalizadas com “mais rigor”. Sem falar que é muito mais fácil comprar alguns desses diretores, fazendo com que eles impeçam outras empresas de entrar no jogo, do que concorrer com as mesmas.

Não seria mais fácil deixar o mercado livre da “regulação” estatal e deixar ele mesmo se regular? Estou certo de que, dessa forma, mais empresas poderão atuar nos setores regulados e haverá concorrência de fato. Creio que essa seja a melhor maneira de regular a qualidade do serviço, uma vez que todas as empresas não contarão mais com a proteção do estado e terão que competir entre si. No final, o indivíduo escolhe qual o serviço que mais lhe agrada, sem falar que os preços cairiam, pois as empresas tentariam fornecer um serviço bom e barato (o sonho de todo o consumidor).

Contudo, para que tudo isso ocorra, as pessoas deveriam parar de acreditar que nossos governantes são seres superiores e incorruptíveis. Assim como Hobbes e Pufendorf afirmaram, o homem é egoísta e interesseiro. Não há como mudar a natureza humana, mas Adam Smith (1723-1790) mostrou que há como todos nós ganharmos com a natureza do homem: “Assim, o mercador ou comerciante, movido apenas pelo seu próprio interesse egoísta, é levado por uma mão invisível a promover algo que nunca fez parte do interesse dele: o bem-estar da sociedade.”.

É apenas através da mão invisível que a natureza humana pode ser benéfica para todos. O estado é necessário, mas quando o mesmo é grande demais, cria-se o que estamos vendo agora e Frédéric Bastiat nos explica muito bem o funcionamento desse gigante: “grande ficção através da qual todo mundo se esforça para viver às custas de todo mundo”. Qualquer semelhança com o Brasil é mera coincidência.

————————

Mateus Maciel é estudante da Faculdade de Ciências Econômicas da UERJ. É membro fundador do Grupo Frédéric Bastiat (EPL-UERJ), e escreve todos as segundas para o site do Clube Farroupilha.

As informações, alegações e opiniões emitidas no site do Clube Farroupilha vinculam-se tão somente a seus autores.

Anúncios

Categorias:Mateus Maciel

3 respostas »

  1. As agências reguladoras são extremamente ineficazes, e sem dúvida não cumprem o papel que deveriam. O Estado brasileiro é inchado – como vários outros – e pouco eficiente também, o que fica claro quando verbas deixam de ser usadas pela falta de projetos ou da burocracia que os trava. Contudo, será que, caso não houvesse qualquer tipo de regulação, e as empresas pudessem – como já fazem, em muitos setores – ter a livre concorrência para disputar o mercado, necessariamente o consumidor seria beneficiado? Provavelmente, a curto e médio prazo, sim. Talvez, a longo prazo não. Imagino que, com o tempo, as formações de cartéis e outras maneiras de oligopolização acabassem por restringir não exatamente a oferta de produtos ou a inovação tecnológica, mas o preço praticado ao consumidor.

    O que vc acha, Mateus?

    Ah, e parabéns pela iniciativa do espaço de discussão. Qualquer tentativa de qualificar os discursos é válida, ainda mais quando feita com textos de qualidade como os que estão aqui presentes. Mas lembre-se, o liberalismo pode – e deve, na minha opinião – ser auxiliado por muitas outras correntes do pensamento. Isso qualifica o debate e enriquece as possibilidades de ação – econômica e social.

  2. Primeiramente gostaria de dizer que é uma honra receber um comentário seu, Leandro. Fico extremamente agradecido.

    Bom, se você parar para analisar, a maior parte dos monopólios/ oligopólios são criados ou mantidos ou mantidos pelo estado, salvo alguns casos como o da DeeBeer’s e Alcoa. O setor de aviação, protegido pela ANAC, esteve sendo “ameaçado” pelo governo, uma vez que este iria abrir o setor para empresas estrangeiras, durante a Copa. Outro caso interessante que mostra como o estado cria/mantém monopólios é a existência da OPEP, cartel criado por países.

    A questão é: “como acabar com os monopólios?”. Deixe o mercado dissolve-los. Se há uma empresa controlando um determinado setor, abra o mesmo e deixe o mundo vir. A maior parte dos monopólios em que o governo não interveio/não ajudou foi destruído pelo próprio mercado. Além do mais, burocratas em Brasília, com suas canetas nervosas, não são capazes de dizer se uma empresa está grande demais ou não. Os indivíduos, através de suas escolhas, fazem isso. Economicamente, a concorrência gera eficiência no que diz respeito ao bem estar dos consumidores e produtores, uma vez que com a entrada crescente de novas firmas no setor, a oferta do bem oferecido pelas mesmas cai, assim como o seu preço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s